Mapas conceituais: excelente forma de aprender, descubra como criá-los.

book-2875123_640

O início do estudo, envolvendo a organização das novas informações e a busca pela fixação efetiva do conteúdo é difícil, porém, essencial para o aprendizado de longo prazo. Resumindo: não deixe de esquematizar o conteúdo!

Pesquisas demonstram que, em curto prazo, estudos desafiantes apresentam desempenhos piores do que aqueles resultantes de métodos cômodos e passivos. Contudo, em longo prazo, aqueles estudantes que se submetem a maiores desafios atingem desempenho consistentemente superior.

Vale lembrar que esta lição é essencial para você, concurseiro. O seu estudo apresenta objetivos de longo prazo e, por isso, deve estar cercado de desafios, deixando de lado o lugar comum do leitor e espectador passivo. Vamos lá:

1 Abandone os métodos de acomodação e adote um estudo ativo!

2 Os Mapas Conceituais

3 Não confunda com mapas mentais

4 Onde aplicar os Mapas Conceituais

5 Como fazer um Mapa Conceitual?

1 Abandone os métodos de acomodação e adote um estudo ativo!

Os estudos ativos e desafiantes criam mais caminhos para alcançar as informações, o que fornece maior possibilidade de relembrar aquilo que foi estudado.

Exemplos de modos ativos de estudo:

  1. a) Responder a questionários, que podem ser criados por você mesmo para se testar frequentemente e conferir se está realmente aprendendo.
  2. b) Elaborar os seus próprios materiais de estudo, de uma forma criativa e ativa. Discutir os assuntos com outras pessoas e criar enigmas para lembrar daquilo que estudou são formas extremamente eficazes para fixar.
  3. c) Permita-se enfrentar dúvidas e assuntos difíceis. Temas complicados possibilitam que os estudantes encontrem suas soluções através da frustração inicial que eles causam. Ao criar esta capacidade de resolver autonomamente as dificuldades, o concurseiro consegue desenvolver um aprendizado muito mais profundo.

Outra sugestão de estudo ativo é a criação de mapas conceituais. Nós vamos dedicar mais atenção a eles agora, em razão da sua enorme importância.

2 Os Mapas Conceituais

Para que haja o agrupamento de matérias afins, aconselhamos a construção de mapas conceituais. Eles são diagramas indicadores de relações entre conceitos, ou palavras-chave (aquelas que, bastando a sua simples leitura, já identificamos toda uma teoria ou conceito).

A ideia dos mapas conceituais surgiu na década de 1990 e permite um aprendizado conjuntural dos temas. São organizados em conceitos globais sendo desdobrados em conceitos neles incluídos.

Inicialmente, foram idealizados para melhorar o aprendizado nas ciências, porém, atualmente são utilizados também com o objetivo de criar gráficos organizadores que ilustram relações entre ideias, imagens ou palavras.

Esta concepção de estudo proporciona pontes entre diferentes ideias que, a princípio, nós não sabíamos que estavam conectadas. A literatura científica é pacífica ao enxergar tal método como capaz de desenvolver pensamento lógico, motivação, atenção e compreensão.

library-2918072_640

3 Não confunda com mapas mentais

Muitos estudantes já ouviram falar de mapas de diferentes espécies. No entanto, é necessário deixar claro que estamos nos referindo ao mapa conceitual. Ele é diferente, por exemplo, dos mapas mentais. Estes focam nos subtópicos enquanto aqueles conectam múltiplas ideias.

4 Onde aplicar os Mapas Conceituais

Um bom mapa conceitual é capaz de resumir mais de cem páginas de um livro, transmitir toda a ideia que importa e promover uma visão inter-relacionada do assunto estudado. Ou seja, funciona como um instrumento de síntese, ao mesmo tempo que organiza os assuntos, potencializa o aprendizado e permite que você tenha um material objetivo para os momentos de revisão.

Devemos salientar também que os mapas conceituais podem servir para planejar tarefas, bem como para auto avaliações. Nelas, é possível tentar criar mapas conceituais sem consultar o material e conferir se está aprendendo e em quais pontos você enfrenta maiores dificuldades.

5 Como fazer um Mapa Conceitual?

Na elaboração, deve-se colocar o principal conceito em destaque, no alto ou no centro. Conceitos mais amplos devem ficar mais próximos do principal.

As demais ideias, chamadas de conceitos-chave da leitura, devem ficar mais distantes do conceito principal. Conceitos-chave são aqueles dados específicos e detalhados que serão objeto de cobrança da sua prova. Entre os conceitos relacionados, é necessário traçar uma linha para deixar clara a analogia existente.

Exemplo:

mapa-conceitual

Agora basta colocar em prática para aprender mais, mãos à obra. Recomendamos a leitura da melhor forma de estudar para concurso e de o que estudar para concurso, porque apresentam métodos que funcionam muito bem associados aos mapas conceituais.

Gostou do texto? Tem críticas? Sugestões? Dúvidas? Deixe o seu comentário abaixo, nós vamos ter o prazer de responder 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *